Só restou o medo. Envergonhadas, índias relatam terem sofrido abuso sexual


O sentimento é de medo, vergonha e discriminação. É o que relatam à Folha quatro jovens índias da etnia mura, que dizem ter sido vítimas de abuso sexual praticado por turistas norte-americanos em excursões de pesca esportiva em rios da Amazônia. A reportagem é de Kátia Brasil e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 17-07-2011.

Segundo elas, os estupros aconteceram há, no mínimo, seis anos. As vítimas afirmam que nunca conseguiram esquecer. Os turistas eram brancos, tinham mais de 40 anos, bebiam e tiravam fotos pornográficas.

Envergonhadas e com medo de serem discriminadas, as quatro deixaram a aldeia, na zona rural de Autazes, cidade ribeirinha a 118 km de Manaus. No local, o tema abuso sexual é tabu.

O caso veio à tona após a publicação de uma reportagem do jornal “The New York Times”, no último dia 9. Segundo o jornal, a empresa de turismo norte-americana Wet-A-Line Tours é investigada pela Justiça do Estado da Geórgia (EUA) sob suspeita de explorar o turismo sexual no Brasil.

As jovens aceitaram falar sob a condição de manterem o anonimato. “Minha família não sabe que aconteceu isso comigo. Por isso saí da aldeia e vim morar aqui na cidade. Eles não sabem de uma coisa dessa, não permitem”, disse E. Na época, ela tinha 16 anos. Hoje, está com 22.

Elas vivem em extrema pobreza, em palafitas na periferia da cidade. Sobrevivem graças a programas sociais.

“As pessoas da cidade nos olham incomodadas com a situação. Até para conseguir trabalho é difícil. Não saio de casa por isso”, disse U., hoje com 28 anos.

O principal investigado nos EUA é o norte-americano Richard Schair, dono da agência Wet-A-Line Tours.

No Brasil, ele e mais cinco brasileiros são processados na Justiça Federal no Amazonas sob a acusação de dez crimes, entre eles, estupro, favorecimento a prostituição infantil e formação de quadrilha. Em depoimento à polícia, eles negaram.

Segundo a Polícia Federal, mais de 15 meninas de aldeias de Autazes foram aliciadas com a promessa de trabalho e salário em dólar. A maioria delas tinha menos de 18 anos na época.

Segundo relatos das vítimas, os abusos ocorreram entre 2000 e 2009.

Hoje com 19 anos, a jovem I. conta que tinha 15 anos quando foi chamada para ser ajudante de cozinha em um dos barcos da Santana Turismo Ecológico, do brasileiro José Lauro Rocha da Silva, parceiro de Schair.

“Estava na cozinha quando eles me chamaram para o quarto. Fiquei nervosa, com medo. Voltei quatro vezes para o quarto, cada vez com um homem diferente. Era contra a minha vontade. Meu sentimento foi de nojo.”

Uma das jovens afirmou que foi procurada em junho por um homem que disse trabalhar nos barcos  de Lauro e Richard. Ele teria oferecido dinheiro caso elas retirassem o depoimento.

E., 22: Tenho receio do que possam fazer comigo

Quando eu tinha uns 15, 16 anos, gostava de sair e me divertir numa casa de forró daqui do porto de Autazes. Foi lá que eu conheci o Richard [Schair, suspeito de liderar o esquema de turismo sexual]. Ele estava com outros americanos. Quem apresentou foi um homem chamado Adilson, o tradutor.

Richard falava a nossa língua e dizia que tinha trabalho dentro do barco. De camareira, cozinheira… Me ofereceram quase uns US$ 200, e eu fui.

Quando entrei no barco, tinha mais quatro meninas, todas menores. Me deram muita bebida, acabei ficando de porre. Daí um americano me pegou. Ele era alto, meio careca, olho azul e queria fazer coisas que eu não queria.

Fiquei com medo de reclamar porque eles podiam fazer alguma coisa. Eles me deixaram no porto. Recebi R$ 50.

Já apareceram aqui uns policiais americanos. Contei tudo pra eles, mas tenho muito medo do que possam fazer comigo.

Hoje, cortei e pintei o meu cabelo para mudar geral. Os americanos queriam a gente por causa do cabelo comprido e preto.

R., 25: O que ocorreu quebrou todos os meus sonhos

Eu tinha uns 16 anos quando tudo aconteceu. Conheci o Richard [Schair, principal suspeito de liderar o esquema de turismo sexual] quando ele me chamou para pescar. Quando a gente já tinha se afastado um pouco da beira do rio, veio um rapaz alto e moreno, que não falava português.

O rapaz moreno me pediu para ir para o quarto com outra menina de uns 15 anos. Lá, ele disse que era para a gente tirar a roupa porque ia fotografar a gente se esfregando.

Ele veio com violência e arrancou a minha roupa. Eu chorei muito na hora, fiquei desesperada, com medo de ele me matar.

Ele manteve relação sexual com a gente. Quando terminou, ele me deu uma nota de US$ 1 dizendo que o dinheiro valia muito.

Minha mãe soube do que aconteceu e me tirou daqui por um tempo. Não consegui mais estudar depois. Hoje, tenho um namorado e estou grávida de quatro meses. Nós vamos nos casar.

O que aconteceu naquele barco quebrou meus sonhos. Tem coisas que a gente guarda que é impossível tirar de dentro.

http://www.ihu.unisinos.br/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&task=detalhe&id=45437

Procura era por menores de 16 anos, diz processo

Meninas menores de idade, preferencialmente abaixo dos 16 anos, era um pedido especial do americano Richard Schair e de seus clientes na agência Wet-A-Line, afirma o processo que corre contra ele nos EUA por suspeita de explorar o turismo sexual no Brasil. A reportagem é de Luciana Coelho e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 17-07-2011.

No documento, obtido pela Folha, Schair é acusado, entre outras coisas, de estuprar uma menina brasileira de 12 anos e de forçá-la a fazer sexo com seus clientes.

Em curta conversa com o “New York Times”, Schair disse ser inocente.

A Folha teve acesso a parte substancial do processo, aberto no mês passado em uma corte distrital do Estado da Geórgia por quatro brasileiras de origem indígena, todas menores de idade na época dos supostos crimes.

Dois brasileiros – Adilson Garcia da Silva e seu irmão Admilson, ambos funcionários de Schair – são citados, mas apenas o americano e sua empresa de turismo, fechada em 2009, são réus.

“Adilson recrutava meninas jovens a pedido e sob orientação de Schair, de seus funcionários mais graduados e de seus clientes, que frequentemente pediam meninas jovens, abaixo da idade de consentimento”, diz o texto.

Na maior parte dos EUA, essa idade é 16 anos.

Um dos episódios descritos no processo é o estupro de uma menina de 12 anos, anonimamente chamada de ”C”.

“A bordo do barco, um funcionário do réu levou ”C” e outras meninas para a cabine onde o réu dormia. Ele acordou e começou a bolinar “C”. Quando ela rejeitou suas avançadas, o réu a forçou a fazer sexo com ele.”

O escritório de advocacia King & Spalding assumiu o caso sem custos, por meio do grupo de proteção dos direitos da mulher Equality Now. Foi pedida uma indenização e o julgamento com júri.

Schair pediu uma suspensão do processo alegando haver mais investigações em curso, mas o tribunal informou à Folha que a ação prossegue normalmente.

http://www.ihu.unisinos.br/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&task=detalhe&id=45438

Anúncios

Sobre União - Campo, Cidade e Floresta

Noticias das LUTAS DOS POVOS EMPOBRECIDOS - NO CAMPO, NA CIDADE E NA FLORESTA.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s