Cimi denuncia crescimento de danos ambientais em áreas indígenas durante lançamento de relatório, nesta quarta-feira


do site do CIMI

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) lança nesta quarta-feira, 13, às 9h30, no auditório Dom Helder Câmara da CNBB, os dados de 2011 do Relatório Anual de Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil.

 

Números referentes aos danos ambientais praticados em terras indígenas cresceram entre 2010 e 2011, como aponta o relatório. No ano passado, foram registrados 42 casos de invasões possessórias e exploração ilegal de recursos naturais; em 2010 foram registrados 33 casos.

 

Obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e desmatamentos, causados por grileiros e madeireiros, estão entre as principais causas dos danos ambientais. Para o Cimi, tais danos se configuram como violências contra o patrimônio.  

 

Em relatório divulgado recentemente, a Anistia Internacional menciona a violação dos territórios indígenas pelas frentes de expansão agropecuária como forma de degradação ambiental e aumento de risco social para os povos indígenas – posto que tais comunidades são protetoras naturais do meio ambiente.

 

Regularização de terras: meio ambiente e mortes   

 

A morosidade do governo federal em demarcar e homologar as terras indígenas expõe ainda mais os territórios às ações de depredação ambiental e configura como uma das principais causas dos danos ambientais. Em 2011, apenas três terras foram homologadas pela presidenta Dilma Rousseff – o pior resultado num primeiro ano de governo desde José Sarney.

 

No total, o ano passado encerrou com 342 terras indígenas sem qualquer providência do governo federal, ou seja, um terço do total de terras indígenas, que soma 1.046. Com isso, conforme o Relatório, o meio ambiente e seus residentes, os índios, ficam expostos aos madeireiros, grileiros, garimpeiros e agronegócio.

 

Submetidos às violências mais diversas, como ameaças, racismo e mortes, o relatório aponta uma média de 55 assassinatos por ano entre 2003 e 2011, num total de 503 mortos nesse período. Em 2011, foram 51 vítimas. O conflito fundiário é uma das causas mais destacadas. No entanto, tais fatores repercutem de maneira diferente entre os povos indígenas, diversos entre si e que reagem de maneira distinta um dos outros frente às violências.

 

O Relatório do Cimi traz um dado alarmante, nesse sentido: entre 2000 e 2011, foram registrados 555 suicídios de índios no Mato Grosso do Sul, estado da maior etnia do país, a Guarani Kaiowá. No ano passado, 45 indígenas se suicidaram; em 2010 foram 42 casos. A incidência está entre jovens de 14 a 18 anos e adultos entre 21 e 30 anos, sendo de maioria do povo Guarani Kaiowá.

 

Na saúde, a desassistência do Ministério da Saúde motivou a morte de 44 indígenas; em 2010 foram 25 casos. O estado do Amazonas lidera a lista com 14 mortes. 

 

Presença de indígenas e lançamento de campanha  

 

Esses e outros números trágicos estão no Relatório que o Cimi lança nesta quarta-feira e convida a imprensa e sociedade a compartilhar.

 

“Os dados apresentados neste relatório desvelam as agressões à dignidade humana dos povos indígenas em todo o Brasil, sua aflição e seus sofrimentos”, escreve Dom Erwin Kräutler, presidente do Cimi e bispo da Prelazia do Xingu (PA), no texto de abertura do documento. O bispo estará no lançamento com seus depoimentos sobre os impactos da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte.

 

Imprensa, convidados e demais participantes poderão verificar no lançamento de que maneira o Relatório é elaborado, bem como a apresentação de outros dados, além das presenças e falas de indígenas da Amazônia e da Terra Indígena Caramuru-Catarina Paraguaçu, que recentemente teve seus invasores retirados por decisão histórica do Supremo Tribunal Federal (STF) a favor dos Pataxó Hã-Hã-Hãe.

 

Será lançada também a campanha Em Defesa da Causa Indígena, parceria entre o Cimi e a Associação de Juízes para a Democracia (AJD), que terá sítio eletrônico e ações públicas. 

 

Durante o evento, os participantes poderão adquirir exemplares do Relatório.

 

Presenças confirmadas:

 

Dom Erwin Kräutler, presidente do Cimi e bispo da Prelazia do Xingu, Pará;

 

Dom Leonardo Ulrich Steiner, secretário geral da CNBB;

 

Lúcia Helena Rangel, antropóloga coordenadora do Relatório de Violência, além de professora da PUC/SP e assessora antropológica do Cimi;

 

Deborah Duprat, Vice-Procuradora Geral da República;

 

Os indígenas: cacique Nailton Pataxó Hã-Hã-Hãe, da Bahia, e Jader Marubo, presidente da União dos Povos Indígenas do Vale do javari (Unijava), Amazonas.

 

Serviço:

 

Lançamento do Relatório de Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2011, Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

 

Dia e hora: 13 de junho, quarta-feira, às 9h30;

 

Local: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), auditório Dom Helder Câmara, Setor de Embaixadas Sul, quadra 801, conjunto “B”. Aberto ao público.

 

Outras informações: (61) 9979-6912 ou (61) 2106-1670, Renato Santana – jornalista, Cimi.

Anúncios

Sobre União - Campo, Cidade e Floresta

Noticias das LUTAS DOS POVOS EMPOBRECIDOS - NO CAMPO, NA CIDADE E NA FLORESTA.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s