AUDIÊNCIA PÚBLICA: ALDEIA MARACANÃ PARA OS ÍNDIOS!


Mesa de Debates:

Lideranças indígenas: 

Urutau Tenetehara (José Guajajara) – Mestre em Tupi-Guarani, é uma das principais lideranças históricas da Aldeia Maracanã

Ash Ashanika – especialista na Cosmologia e em Medicina da Floresta e liderança da Aldeia Maracanã

Daniel Puri – Professor de História pela USP e liderança da Aldeia Maracanã

Kaiá Waiwai – do povo indígena-quilomboloa Waiwai do Pará, é um dos principais lutadores da Aldeia Maracanã

Márcia Guajajara – é um das principais lideranças indígenas femininas da região nordeste e norte do pais. E uma das principais lideranças da Aldeia Maracanã

Tiuré Potiguara – do povo Potiguara, José Humberto Costa Nascimento, ativista dos direitos indígenas, ele é um dos sobreviventes da ditadura e considerado Refugiado Político pelo Alto Comissariado da ONU para Refugiados. Ele iniciará uma greve de fome neste dia. http://forestrivers.wordpress.com/2013/04/15/hunger-strike-manifesto/

Convidados:

Mércio Gomes – Professor de Antropologia, com doutorado pela Universidade da Florida (EUA). Leciona na Universidade Federal Fluminense. Trabalhou com o antropólogo, político e educador Darcy Ribeiro, de quem foi subsecretário de Planejamento da Secretaria Especial de Projetos e Educação, no governo do Rio de Janeiro (1990-1994), foi Presidente da Funai ( 2003-2007).

Carlos Walter Porto Gonçalves -Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geografia e do Laboratório de Estudos de Movimentos Sociais Milton Santos-LEMTO da UFF, Carlos foi presidente da Associação dos Geógrafos Brasileiros-AGB (1998-2000). Reconhecido internacionalmente, o geógrafo têm atuado junto a diversas etnias indígenas latino-americanas e a diversos movimentos sociais dos ‘de abajo’ pela articulação das resistências contra o atual modelo de desenvolvimentos e seus impactos sobre estas comunidades.

Carlos Latuff – cartunista e ativista político brasileiro, estando sempre presente em diversos movimentos sociais, acompanhou de perto a luta da Aldeia Maracanã. Suas obras lidam com uma variedade de temas mas sempre como a característica marcante da reflexão social.

Chico Alencar – Professor de História e Deputado Federal (PSOL-RJ) pelo terceiro mandato consecutivo. É também membro da Comissão de Direitos Humanos e do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.

Renato Cinco – Vereador do Rio de Janeiro (PSOL – RJ). Sociólogo. Militante ecossocialista, libertário e do Movimento pela Legalização da Maconha.

Justificativa

Após a tentativa frustrada de desocupação, no dia 12 de janeiro, artistas, acadêmicos e políticos declararam seu apoio e solidariedade à causa da Aldeia Maracanã. Esse apoio foi fundamental e, graças a isso, conseguimos impedir a demolição do prédio do antigo Museu do Índio, que visava a construção de um estacionamento privado. Foi uma vitória parcial, pois, no dia 21 de março, devido a um processo de reintegração de posse, os índios foram retirados de forma violenta do local.

Um grupo, entretanto, aceitou a proposta do governo de ocupar um terreno em Jacarepaguá. Outro grupo indígena, porém, continua lutando para retomar o prédio, com o intuito de transformar a Aldeia Maracanã em local de referência da cultura indígena, visto sua importância histórica inestimável. Devo frisar aqui que a luta desses indígenas, além da luta pela preservação física do prédio, sempre foi a luta pela sobrevivência de sua cultura e da continuidade desta ligada ao Museu. A resistência deste movimento, mesmo fragmentado, ainda não acabou.

Sendo assim, os apoios junto aos indígenas estão organizando um seminário na ABI (Associação Brasileira de Imprensa) no dia 19 de abril de 2013, às 18:00 horas, sobre a Aldeia Maracanã no intuito de puxar uma campanha para que o antigo Museu do Índio continue sendo local de destinação cultural indígena, diferente do projeto governamental atual de construção do Museu Olímpico.

EVENTO: https://www.facebook.com/events/380119172103020/?fref=ts

Anúncios

Sobre União - Campo, Cidade e Floresta

Noticias das LUTAS DOS POVOS EMPOBRECIDOS - NO CAMPO, NA CIDADE E NA FLORESTA.
Esse post foi publicado em indigenas, Luta Indigena. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s