No MS, Povo Terena retoma fazenda da família de ex-governador biônico da ditadura


por Ruy Sposati* de Miranda (MS) 

Um grupo de 30 lideranças Terena ocupou a fazenda São Pedro do Paratudal, em Miranda (MS), região do Pantanal, no final da tarde de quinta-feira, 3.

Arrendada para criadores de gado, a propriedade incide sobre a Terra Indígena Cachoeirinha, declarada pelo Ministério da Justiça em 2007. Não houve conflito. A retomada faz parte da Mobilização Nacional Indígena, convocada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, em defesa dos direitos constitucionais e pela demarcação de terras.

A intenção dos Terena é pressionar para que proprietários de terras que incidem sobre Cachoeirinha aceitem o pagamento das indenizações, parte do processo de desintrusão, de modo que a comunidade possa finalmente ocupar seu território tradicional.

Conhecida pelos indígenas como Canta Galo, a fazenda de 600 hectares é propriedade de Pedro Paulo Pedrossian, filho do ex-governador do Mato Grosso do Sul, Pedro Pedrossian.

O pai também era proprietário da fazenda Petrópolis, com 1,2 mil hectares incidentes na Terra Indígena Cachoeirinha, mas passou para o nome da filha, Maura Regina Pedrossian.

Durante a ditadura militar, Pedro Pedrossian foi governador biônico do Mato Grosso (antes da divisão do estado), em 66, e governador biônico do Mato Grosso do Sul em 78. Passou pelo PSD, ARENA, PDS, PTB, PDT, PST e PMDB.

A fazenda Petrópolis já foi ocupada quatro vezes pelos indígenas. Na primeira tentativa, em 2008, os Terena permaneceram 15 dias na área, sendo expulsos por decisão judicial. Na segunda vez, em 2009, a comunidade permaneceu por sete meses.

O caso foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF) e o ministro Gilmar Mendes deu decisão favorável ao fazendeiro. Dessa vez, os indígenas foram  retirados de forma violenta (veja vídeo)  da área pela Polícia Federal e Militar.

Em 2011, na terceira tentativa, um interdito proibitório os fez sair das terras da Petrópolis. Porém, o interdito também se estendeu a fazenda São Pedro Paratudal, mesmo que os Terena nunca tivessem tentado sequer uma retomada.

No mesmo período, um ônibus escolar Terena foi atacado e incendiado, levando à morte uma jovem indígena e deixando diversas crianças queimadas. A investigação sobre o crime nunca foi concluída, mas os indígenas atribuem o ataque aos fazendeiros, numa tentativa de intimidar o povo. 

Nada, no entanto, parece demover os Terena de retornar para o território tradicional. No ano passado, outra tentativa de recuperar a Petrópolis: dessa vez foram expulsos por jagunços e parentes do fazendeiro fortemente armado com pistolas e metralhadoras.

Indenizações

Os cerca de 8 mil indígenas que vivem em Cachoeirinha ocupam apenas 2,6 mil hectares da terra indígena, apesar da Portaria Declaratória determinar 36 mil hectares. O restante da área é tomada por 54 propriedades rurais.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) realizou o levantamento de benfeitorias em 12 dessas propriedades. Os recursos para os pagamentos estão disponíveis, mas os fazendeiros ainda não pegaram a verba. Ao contrário, as ameaças seguem contra os Terena.

Em entrevista ao portal G1, o advogado Newley Amarilla, de pecuaristas da região do Pantanal onde há conflito com indígenas, disse: “A partir de hoje, se houver invasão [indígena], os produtores que estão lá em Dois Irmãos do Buriti e Sidrolândia prometem reagir e ficar, se necessário for, à bala”.

Relatório Figueiredo

Pedrossian também é citado no Relatório Figueiredo, documento encomendado pelo ministro do Interior Albuquerque Lima, em 1968, e produzido pelo produrador Jader Figueiredo. Ele contém denúncias detalhadas, fotos e depoimentos de dezenas de índios e funcionários do antigo Serviço de Proteção ao Índio (SPI) sobre a morte de indígenas em todo o país.

O nome do ex-governador é citado por Figueiredo: “O senhor governador de Mato Grosso, Pedro Pedrossian, propõe a celebração de um convênio em que o sr. Ministro da Agricultura, general Ney Braga, autorize a doação de 35.000 hectares; que o convênio foi celebrado e é escandalosamente ilegal”. O acordo teria ocorrido em 17 de junho de 1966.

*Para o Comitê de Imprensa da Mobilização Nacional Indígena.

http://www.flickr.com/photos/55449636@N07/sets/72157636226724746/with/10106480154/

http://www.brasildefato.com.br/node/26165

Anúncios

Sobre União - Campo, Cidade e Floresta

Noticias das LUTAS DOS POVOS EMPOBRECIDOS - NO CAMPO, NA CIDADE E NA FLORESTA.
Esse post foi publicado em indigenas, Luta Indigena. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para No MS, Povo Terena retoma fazenda da família de ex-governador biônico da ditadura

  1. bakuninista disse:

    Camaradas,

    estamos vivendo uma conjuntura importante em nosso país, as lutas estão se acirrando, novas práticas e métodos de luta estão resgatando os princípios da ação direta e da independência política das massas trabalhadoras frente a burguesia e seu Estado. As Jornadas de Junho foram importantes para a experiência de luta e para demonstrar que é possível vencer e impor derrotas aos nossos inimigos quando se está baseado nesses princípios. Demonstrou também que a burocracia sindical, estudantil e partidária (CUT, CTB, UNE, Anel, etc.) não representam os interesses do povo.

    Porém, não iremos ficar com um saudosismo contemplativo em relação a Junho, a luta não começou lá e ela continuará até que exista a exploração do homem pelo homem. As lutas populares em geral por melhorias nas condições de vida (sejam elas sindicais, comunitárias, estudantis, indígenas, etc.) devem aprender com a Jornadas de Junho, mas devemos saber dar um passo a frente, ou seja: organizar o povo para a ação direta combativa, e não para as eleições burguesas; organizar por cada local de trabalho, moradia e estudo, e não apenas pelo facebook; combater as burocracias sindicais e partidárias, mas apresentar de fato uma alternativa para a organização e direção das massas populares.

    É nesse sentido que convidamos todos e todas, movimento de trabalhadores urbanos, estudantes, desempregados, camponeses, indígenas, quilombolas, e demais, ao I Encontro Nacional de Oposições Populares, Sindicais e Estudantis (ENOPES).

    Avante camaradas! Temos muito o que fazer!
    O POVO VENCERÁ!

    Mais informações:
    – Site do ENOPES: http://enopes2013.wordpress.com/
    – Manifesto do ENOPES: http://enopes2013.wordpress.com/manifesto/
    – Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/395937540532520/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s