[México] Subcomandante Marcos e @s anarquistas


Vamos refletir um pouco!
Quem são @s anarquistas que o Subcomandante Insurgente Marcos se refere? Será que ser anarquista é só ser contra o governo e o Estado? Será que ser anarquista é apenas ser crítico e questionar? será que anarquista é ser rebelde e quebrar tudo? Será que anarquista é apenas escrever? será que anarquista é fazer livros? Será que anarquista é ser especialista das academias em luta de classes?
será que ele esta falando d@s anarquistas que moram nos bairros nobres das cidades, tipo proximidades da Avenida Paulista, d@s filh@s de latifundiários e industriários, das universidades públicas, enfim, de toda estas elites que se autointitulam anarquistas?
Acreditamos que não!
 
[O diário “La Jornada” (México D.F.), em sua edição do último dia 3 de novembro, divulgou um comunicado sobre a primeira volta da “la Escuelita”, que o EZLN (Exército Zapatista de Libertação Nacional) organizou em Chiapas em agosto passado. Dentro desse informe, intitulado “Malas y no tan malas noticias”, o subcomandante Marcos dedica um trecho do comunicado a movida anarquista e a atual onda de histeria antianarquista que o Estado e o Capital promovem naquele país. A seguir, extrato do pronunciamento.]
 
CASOS ESPECIAIS: @s Anarquistas
 
Visto a campanha Anti Anarquismo que levantam as boas consciências e a esquerda bem comportada, unidas em santa cruzada com a direita ancestral para acusar jovens e velh@s anarquistas de desafiar o sistema (como se o anarquismo tivesse outra opção), além de descompor suas cenografias (o apagar da luz é para não ver @s anarquistas?), e que é levada ao delírio com qualificativos como “anarco-falcões”, “anarco-provocadores”, “anarco-porro” [baseado, banza], “anarco-etcetera” (por aí li o qualificativo “anarco-anarquista”, não é sublime?), nós, as zapatistas e os zapatistas não podemos ignorar o clima de histeria que, com tanta firmeza, demanda e exige que se respeitem os cristais (que não mostram, senão ocultam o que passa justo atrás do mostrador: condições laborais escravistas, higiene nula, má qualidade, baixo nível nutricional, lavagem de dinheiro, fraudes fiscais, fuga de capitais).
 
Porque agora resulta que, essas ratoeiras mal dissimuladas chamadas “reformas estruturais”, que o despojo laboral ao magistério, que a venda outlet do patrimônio da Nação, que o roubo que o governo perpetra contra os governados pelos impostos, que a asfixia fiscal – que favorece só aos grandes monopólios -, que tudo isso é culpa d@s anarquistas.
 
Que a gente mal sai às ruas a protestar (ouça, mas sim aí estão as marchas, as greves, os bloqueios, as pichações, os panfletos. Sim, mas são de professor@s-motoristas-ambulantes-estudantes-ou-seja-nacos-e-nacas-e-de-província [nacxs é uma gíria mexicana para moradores da periferia, em especial descendentes de indígenas], eu digo gente bem bem bem do DF. Ah, a mítica classe média, tão cortejada e ao mesmo tempo depreciada e defraudada por todo o espectro midiático e político), que a esquerda institucional também despoja os espaços de manifestação, que o “único opositor ao regime” foi tornado opaco pelos sem nome uma e outra vez, que a imposição arbitrária se chama agora “diálogo e negociação”, que o assassinato de migrantes, de mulheres, de jovens, de trabalhadores, de crianças, que tudo é culpa d@s anarquistas.
 
Para aqueles que militam e se reivindicam como da “A”, bandeira sem nação nem fronteiras, e que são parte da SEXTA [Sexta declaração de Lancadona], mas que em verdade militam e não como moda de vestir ou de calendário, temos, além de um abraço companheiro, um pedido especial:
 
Compas Anarquistas: nós os zapatistas, nós as zapatistas, não os vamos achacar nossas deficiências (incluindo a falta de imaginação), nem os vamos fazer responsáveis de nossos erros, nem muito menos os vamos perseguir por ser quem são. E mais, conto vos que vários convidados em agosto cancelaram suas vindas porque disseram que não poderiam compartir a aula com “jovens anarquistas, andrajosos, punks, aretudos [cheio de piercings], e cheios de tatuagens”, que esperavam (os que não são jovens, nem anarquistas, nem andrajosos, nem punks, nem aretudos, nem cheios de tatuagens) uma desculpa e que se depurasse o registro. Seguem esperando inutilmente.
 
O que queremos é pedir que, no momento do registro, entreguem um texto, de no máximo uma página de extensão, onde respondam as criticas e acusações que se lhes tem feito nos meios de comunicação. Esse texto será publicado em uma seção especial de nossa pagina eletrônica (enlacezapatista.ezln.org.mx) e em uma revista-fanzine-como-se-chame pronta para aparecer no mundo mundialmente mundial, dirigida e escrita por indígenas zapatistas. Será uma honra para nós que em nosso primeiro número esteja sua palavra junto à nossa.
 
Eh?
 
Sim, também vale uma página com uma só palavra que ocupe todo o espaço: algo como “MENTEM!”. Ou algo mais extenso como “Lhes explicaria o que é o Anarquismo se pensasse que vão entender”, ou “O Anarquismo é incompreensível para anões de pensamento”; ou “As transformações reais primeiro aparecem na nota vermelha”; ou “Me cago pra polícia de pensamento”; ou a seguinte citação do livro “Golpes y contragolpes” de Miguel Amorós: “Todo o mundo deveria saber que o Black Bloc não é uma organização, senão uma tática de luta similar à Kale Borroka [forma de guerrilha urbana dos radicais bascos], que uma constelação de grupos libertários, “autônomos” ou alternativos, vinha praticando desde as lutas dos squats (okupações) nos anos 80 em várias cidades alemãs” e agregar algo como “se vão a criticar algo, primeiro investiguem bem. A ignorância bem redatada é como uma idiotice bem pronunciada: igual de inútil”.
 
Enfim, estou seguro de que não lhes faltarão ideias.
 
Vale. Saúde e, creiam ou não, o mundo é maior que o titular midiático mais escandaloso. É questão de ampliar o passo, o olhar, o ouvido… e o abraço.
 
Desde as montanhas do Sudeste Mexicano,
 
O subcomandante Marcos.
 
Zelador da Escolinha e encarregado de dar más notícias.
 
México, novembro de 2013.
 
Tradução > Caróu
 
Notícia relacionada:
 
 
agência de notícias anarquistas-ana
 
o rio ondulando
a figueira frondosa
no espelho da água.
 
Alaor Chaves
Anúncios

Sobre União - Campo, Cidade e Floresta

Noticias das LUTAS DOS POVOS EMPOBRECIDOS - NO CAMPO, NA CIDADE E NA FLORESTA.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s