A burocratização do hip hop e o projeto de lei 6.756 de Romário


Uma Liberdade Chamada Solidão

 Introdução

Os fatos na medida em que vão se dando de acordo com o processo histórico nos proporciona uma reflexão holística da conjuntura que vivemos, se pretendemos uma maior complexidade do real. Para tal, nos auxilia a história e seus métodos. Agora, mais de dez anos refletindo sobre o rap/hip hop, podemos tirar conclusões, mesmo que provisórias, sobre parte do processo de construção dos códigos, categorias discursivas, conceitos, mecanismos, relações de poder, segmentos, linguagens e demais estruturas que firmam o hip hop como cultura urbana. O rap se mercantilizou, cresceu e consolidou projetos e propostas políticas. Inseriu-se no mercado, firmou acordos, estratégias, discursos e construiu suas próprias relações de poder. Os segmentos se articularam ganhando visibilidade e um público considerável. Poucas reflexões críticas foram e são produzidas – e aqui falamos daqueles que compõem a cultura, não se resumindo, portanto, a cientistas sociais. O que encontramos na maioria das…

Ver o post original 2.077 mais palavras

Sobre União - Campo, Cidade e Floresta

Noticias das LUTAS DOS POVOS EMPOBRECIDOS - NO CAMPO, NA CIDADE E NA FLORESTA.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s