CONVOCAÇÃO PARA ATO CONTRA A VIOLÊNCIA POLICIAL


ATO PÚBLICO, SÁBADO, DIA 01 DE FEVEREIRO, A PARTIR DAS 17H, NA PRAÇA ROOSEVELT

Acompanhamos de perto a ação da PM DE SÃO PAULO durante as manifestações CONTRA O AUMENTO DAS PASSAGENS em 2011. Vários manifestantes ficaram gravemente feridos, um deles foi preso e espancado, em plena calçada da Prefeitura de São Paulo, sofreu fraturas nos ossos da face, tendo que passar por cirurgia para reconstituir o osso do nariz.

No ano passado, após repressão policial violenta, os atos contra o aumento da passagem ganhou grandiosa proporção, chegando a quase 1 milhão de manifestantes às ruas. Muitos somaram em solidariedade com os que sofreram a brutal ação policial.

No dia 24 de janeiro, ultima sexta-feira, após chuva que alagou todo o Jardim Pantanal, no extremo leste de São Paulo, moradores que tiveram suas casas tomadas pela água que retornou pelos esgotos e pelas ruas, indignados com a negligencia das autoridades, que desde 2009, após castigo pelas obras inexistentes, esperam pelas promessas feitas pelo então prefeito Gilberto Kassab foram as ruas manifestar sua indignação.

Uma das ações dos moradores foi a de saquear um atacadista, o Assaí. A ação é justificada pela enchente, que alagou ruas e casas, deixando a população sem alimento. A PM, foi defender o patrimônio do supermercado, que tem segurança particular e cabe a eles defenderem os bens de seu empregador e não à PM. Vimos policiais tomando a força os alimentos conquistados com o saque. Espancando pessoas que estavam na rua, mesmo sem saber o que a pessoa estava fazendo ali. A PM de São Paulo a cada dia está conquistando a desaprovação da população empobrecida da cidade, demonstrando que estão mesmo para servir os ricos em detrimento dos empobrecidos.

A brutalidade contra os manifestantes de sábado passado não deixa sombras de dúvidas de qual é o papel da PM. Além das chacinas que estão envolvidos, ainda tem a truculência durante manifestações do descontentamento massivo da população com esta política anti-humana que está dada.

A Copa é só uma desculpa para uma opção de governo, que vem fazendo pior que seus opositores do passado, que hoje são aliados. Está aí a construção das usinas hidrelétricas de Belo Monte, Jirau, a transposição do São Francisco, construção e ampliação de rodovias. Grandes empreendimentos imobiliários etc. Todos beneficiando direta e indiretamente os “amigos” do presidente, como o dono do Grupo André Maggi, que teve pedido de fundação de banco aprovado. Um megaempresário, aliado de Dilma.

Por tudo isso e muito mais a população está indo as ruas, não contra a Copa em si, mas contra tudo que a Copa tenta “esconder”.

segue abaixo convocação para o ato contra a violencia policial:

 

É terrível ter que ver cada vez mais gente sendo vítima da política nefasta dos governantes e da polícia militar contra os manifestantes dos movimentos populares. Em 25 de Janeiro, em SP, vimos uma ação covarde e truculenta da policia militar que resultou na prisão de 128 pessoas. Vídeos mostram a polícia militar atirando indiscriminadamente bombas de gás lacrimogênio, intimidando com armas apontadas aos manifestantes a curta distância, xingando e pressionando psicologicamente as pessoas que participavam de um ato.

Mas espera, Ato? Sim. No dia 25 de Janeiro teve uma manifestação reivindicando que “Se não tiver direitos, não vai ter copa do mundo no Brasil em 2014”. Nada mais justo, afinal, a quem serve uma copa enquanto o povo naufraga nos péssimos serviços públicos federais, estaduais e municipais?

A ideia das pessoas ali era, principalmente, de demonstrar nas ruas sua indignação! E Vinícius Duarte, estudante da UNIFESP campus Diadema, foi simplesmente espancado enquanto era o brigado a ouvir que a culpa do país estar nesse estado era sua. Também foram presas outrxs estudantes da UNIFESP campus Guarulhos. E o mais terrível foi o caso de Fabrício Charles, que foi alvejado com três tiros de arma de fogo, sendo dois no peito e um na virilha.

Não podemos aceitar mais um jovem e colega da UNIFESP ser agredido desta forma, assim como não podemos simplesmente aceitar a prisão de estudantes que participam de greves e ocupações na UNIFESP é inaceitável. A morte do funcionário da limpeza da UNIFESP, logo após abordagem da polícia militar de forma truculenta e perseguição nos faz perguntar, Quem MATOU Ricardo? Por esses e outros motivos, não nos calaremos!

E claro, a ação truculenta da PM já é famosa por ter ações terrívelemnte autoritárias e rememoráveis das épocas da ditadura. Na periferia existe um pânico constante. E nas manifestações, desde sempre o tratamento foi gás lacrimogênio e bala de borracha. Só que em Junho de 2013 o povo se levantou contra a violência. Lembremos que os grandes atos de milhares de pessoas aconteceram porque os governantes não queriam ceder quanto aso aumentos das passagens e assim colocaram a polícia militar na rua para garantir seus decretos. Após as cenas de violência em junho o povo gritou BASTA! e gritaremos de novo até acabar com a repressão e criminalização das manifestações!

Basta de violência policial!

mais informações em https://www.facebook.com/events/550388475069160/

Sobre União - Campo, Cidade e Floresta

Noticias das LUTAS DOS POVOS EMPOBRECIDOS - NO CAMPO, NA CIDADE E NA FLORESTA.
Esse post foi publicado em Direitos Humanos, Trabalhadores da Cidade. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s